o seu email

*Preencha correctamente.

*Preencha correctamente.

SUCESSO NO ENVIO

A subscrição da newsletter foi efectuada com sucesso. Obrigado!

Fechar esta notificação

ERRO NO ENVIO

Pedimos desculpa, mas não foi possível efectuar a subscrição.

Agradecemos, por favor, que volte a tentar.

Fechar e voltar a tentar
Torne-se Editor do VerPortugal

História

Cidade bastante conhecida pela indústria de porcelana da Vista Alegre, este município integra duas cidades: Ílhavo e Gafanha da Nazaré. É neste concelho que se encontra instalado o mais alto dos faróis marítimos de Portugal, o Farol da Barra.

O concelho de Ílhavo está verdadeiramente ligado à pesca do bacalhau. Esta relação, entre outras analogias desta terra com o mar, pode ser conhecida e apreciada no Museu Marítimo de Ílhavo, onde pode ser visitado o único arrastão lateral de pesca do bacalhau sobrevivente. Actualmente, o navio faz parte integrante do Museu Marítimo de Ílhavo e alberga exposições temporárias.

Resistindo às novas tecnologias, a arte Xávega ainda permanece viva um pouco por toda a costa atlântica do país e, em particular, nesta região. A arte Xávega consiste em largar as redes junto à praia, cercando os cardumes que por ali passam e puxando-as em seguida com a ajuda de juntas de bois. Durante muitos anos, esta arte foi um meio de sustento para muitos pescadores e respectivas famílias.

Mas, não é só nas artes marítimas que o concelho de Ílhavo se destaca. Devido à longínqua tradição na cerâmica e na porcelana, fruto sobretudo da implantação da Fábrica Vista Alegre em 1824, existem no concelho vários ateliers de pintura à mão em porcelana e oficinas de cerâmica, onde são trabalhadas pequenas caricaturas em barro.

Em termos de artesanato, destaca-se a construção de miniaturas de barcos em madeira. Muitos ilhavenses, reformados da vida do mar, criam minuciosamente pequenos exemplares dos lugares de antigamente dentro de garrafas.

A cidade de Ílhavo integra a Rede Nacional de Municípios Arte Nova. São várias as vivendas construídas seguindo este movimento estético que viveu o seu período fulgente, em Portugal, no início do século XX. Em diversas ruas do concelho é possível encontrar alguns exemplares destas vivendas, como são o caso da “Vila Africana”, da “Vila Papoila”, da “Vila Maia” e da “Vivenda Paradela”. Apesar de Ílhavo mostrar um enorme gosto pela Arte Nova, sobretudo em termos arquitectónicos, não deixa no entanto de vincar nas suas construções a ligação ao mar que tão bem o identifica. Nas praias deste concelho é possível apreciar as típicas casas caracterizadas pelas suas coloridas fachadas listadas a branco, alternadas com cores vivas e alegres.

O concelho de Ílhavo é também conhecida pelo famoso Pão de Vale de Ílhavo, confeccionado de forma artesanal e em formato de pada e cozido em forno a lenha.

Nas últimas duas décadas do século XX, o concelho de Ílhavo sofreu transformações de cariz social e económico, fruto da diminuição da oferta de emprego no sector das pescas, obrigando a população a voltar-se para outras actividades. A criação de zonas industriais no concelho veio catapultar novos meios de dinamização económica, principalmente orientados para o sector industrial e turístico.