Mais de metade dos consumidores pagaria mais por produtos amigos do ambiente

Accenture lança hoje, no Dia Mundial do Ambiente, estudo que indica que mais de metade dos consumidores afirma que pagaria mais por produtos sustentáveis, que possam vir a ser reutilizados ou reciclados. O estudo da Accenture baseou-se num questionário realizado a 6.000 consumidores em 11 países da Europa, América do Norte e Ásia.
:
  

A pesquisa da Accenture revela que enquanto os consumidores continuam predominantemente focados na qualidade e no preço, 83% dos inquiridos acredita que é importante ou extremamente importante que as empresas criem produtos que possam ser reutilizados ou reciclados. Aproximadamente 72% dos consumidores afirma que compra atualmente mais produtos amigos do ambiente do que há cinco anos atrás, enquanto que 81% diz planear comprar mais nos próximos cinco anos. 

Temos cada vez mais consumidores dispostos a pagar mais por produtos amigos do ambiente. Esta mudança reforça a necessidade das empresas aumentarem o seu compromisso com práticas de negócio mais sustentáveis, refere Pedro Galhardas, Managing Diretor na Accenture Strategy em Portugal. As organizações de diferentes indústrias começaram a agir com propósito, abraçando a economia circular como uma maior oportunidade para gerar crescimento e agilidade competitiva.

O estudo da Accenture confirma que a qualidade e o preço são as principais considerações dos consumidores no ato de compra, 89% e 84% dos consumidores respetivamente, enquanto 49% dos inquiridos referiu questões de saúde e segurança, e 37% identificou o impacto ambiental.

De acordo com o estudo, os consumidores indicam ainda que a indústria química – que tem um papel impulsionador para as tecnologias e materiais recicláveis ou reutilizáveis - carece de preocupação sobre o seu impacto ambiental. Um em cada quatro consumidores (26%) afirmou acreditar que a indústria química é a menos preocupada com o seu impacto no ambiente das nove indústrias incluídas no questionário. 72% dos consumidores afirma também confiar pouco ou nada nas comunicações das empresas químicas em relação ao impacto ambiental dos seus produtos e serviços, em comparação com as restantes indústrias analisadas no estudo.  

Enquanto alguns resultados deste inquérito são encorajadores, existem também implicações para as empresas químicas, nomeadamente a necessidade de superarem a perceção negativa que têm junto do consumidor e a necessidade de produzirem materiais sustentáveis a um preço competitivo, afirma Rachael Barterls, Senior Managing Director na Accenture que lidera a área de Recursos Naturais e Químicos. A indústria química é um capacitador e pode ser um acelerador fundamental para a economia circular. A realidade é que a indústria tem de estar na liderança destes temas ou arrisca-se a ser ultrapassada.  

77% dos consumidores revela ainda no estudo que os plásticos são percecionados como o tipo de embalagem menos amigo do ambiente, enquanto que os produtos de papel são considerados os mais amigos do ambiente por 55% dos inquiridos.

Responder a estes e outros desafios pode ajudar as empresas a crescer. Adicionalmente, um estudo sobre economia circular feito pela Accenture Strategy, realça que as empresas  têm uma oportunidade de catalisar e capturar uma parte significativa de oportunidades criadas pela passagem para a economia circular.

Mais Lidas